6 Dicas para entrar bem financeiramente no ano novo

Virada de ano é um período delicado para as contas pessoais. Muitos gastos no mês de dezembro com o período festivo se somam aos esperados no ano primeiro trimestre do ano. O licenciamento, o IPVA e a matrícula escolar dos filhos são apenas algumas das contas fixas. O que fazer? Algumas dicas podem a seguir ajudar a se manter no saldo positivo. 

Dicas para entrar bem o ano novo nas finanças

Organização financeira nunca é tarde para ser praticada. Não é preciso ‘deixar para o ano que vem’ algo que com medidas simples podem solucionar problemas gigantes. Talvez você não se torne um grande economista mas algumas dicas simples podem ajudar. São elas:

Guarde o 13º para as contas fixas de janeira – alguns gastos você já conhece. IPVA, DPVAT e licenciamento para quem possui veículo na garagem já são aguardados. O IPTU também dá suas caras nesta época. Então por que gastar tudo? Reserve a verba extra do décimo terceiro para o que vai precisar pagar de todo jeito e não pode deixar para depois. 

Parcele apenas se for sem juros – o parcelamento de compras em cartão de crédito é uma tentação sem igual. Contudo, a dívida chega. Não demora muito e chega com carga total e juros altos. O ideal é sempre comprar a vista mas se não é possível então atente para parcelas menores e sempre focando no orçamento.

Busque sempre bons preços com pesquisa – a necessidade faz pagar mais caro, mas se não é tão urgente uma pesquisa apurada pode lhe render uma economia de centenas de reais. Pesquise o valor em lojas por algumas semanas antes de levar de fato para casa. 

Você precisa mesmo disso? – promoções são tentadoras e as empresas sabem disso, por isso investem pesado em marketing. Mas você precisa do item? Ele é essencial para a sua lista? Melhor descartar se não tiver um uso ou necessidade e economizar a verba para emergências. 

Não pague o mínimo do cartão – tente parcelar para fixar a parcela mas pagar o mínimo não é uma boa pedida. Além de problemas para quitar terá juros sobre juros tornando a dívida maior ainda. 

Aproveite os descontos de alguns impostos – IPTU e IPVA pagando em parcela única há desconto em valor bem agradável e significativo. Outros tributos e impostos oferecem desconto pagando em parcela única e ajuda a equilibrar as contas.

Evite empréstimos ao máximo

Quanto as contas começam a acumular é tentador partir para um empréstimo. Por que não fazer? Porque não é a melhor escolha e apenas prolonga o sofrimento para mais adiante. 

Se a sua renda familiar mantém-se a mesma, o salário não sofreu aumentos e as dívidas estão se acumulando o melhor é tentar acordos para pagar em parcelas. Os empréstimos são tentadores e as financeiras investem em muita propaganda. Mas não é a escolha mais sábia. 

Enquanto um cartão de crédito te deixa com juros de 5% a 7%, os empréstimos de alto valor podem aumentar a dívida para 14% ou mais. Isso quer dizer que devendo R$ 100 em um cartão de crédito você contrai um empréstimo de R$ 100, quita o cartão mas está devendo R$ 115. Parcelando poderia dever apenas R$ 105 ou R$ 110 dependendo da bandeira. 

A pior parte é atrasar um empréstimo de financeira. Os juros são absurdamente altos e podem se tornar rapidamente uma dívida impagável.